Não há como negar: o ambiente de trabalho já não é o mesmo de anos atrás. Os motivos para isso são muitos. Entre eles, podemos citar o avanço das tecnologias, que permitem que colaboradores estejam presentes mesmo à distância, o surgimento de startups que atuam em mais de um país e a própria dinâmica de uma cidade grande.

Com isso, as prioridades do profissional contemporâneo mudaram e, hoje, há o apreço por maior qualidade de vida. Aliás, isso é corroborado por uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que descobriu que 73% dos trabalhadores busca flexibilidade no expediente, já 81% almeja o trabalho remoto. Os resultados são de 2017 e aumentaram consideravelmente quando comparados com os de 2015.

Com isso, as empresas estão se reformulando para estabelecer novas relações de trabalho. Neste texto, explicaremos o que muda e também como os colaboradores podem adaptar-se para manter os resultados. Acompanhe!

Local de trabalho

Quando se fala em ambiente de trabalho flexível, o que vem à cabeça de gestores e funcionários é o local propriamente dito e o horário. Trabalhar remotamente é uma realidade até mesmo para empresas grandes, como a Dell. Atualmente, o mais comum é encontrar empresas que ofereçam alguns dias remotos e alguns dias presenciais.

A nova forma de trabalho traz benefícios para as duas partes. Por um lado, a empresa consegue economizar recursos, como os gastos com energia elétrica, por exemplo. Por outro, o colaborador ganha em qualidade de vida, fugindo de horas no trânsito e passando mais tempo com a família e pessoas queridas.

O grande desafio para o colaborador é saber gerenciar o tempo para manter a produtividade mesmo fora da empresa. As distrações do home office são reais e, por isso mesmo, é indicado criar um espaço de trabalho e uma rotina para que não se caia em tentação. Nada de largar as tarefas por Netflix!

Para facilitar, crie um planejamento com todas as tarefas que precisam ser entregues, assim como os prazos de cada uma. Reuniões esporádicas são essenciais para que todos estejam na mesma página e possam discutir o escopo de trabalho a curto prazo.

Além disso, a comunicação interna também precisa de adaptações para essa flexibilidade. E-mail, Skype, Slack: essas são só algumas das ferramentas que podem ser adotadas para facilitar esse novo sistema. É essencial manter o fluxo de informações mesmo remoto para que nada se perca no meio do processo.

Horário flexível

Com o horário comercial estabelecido, tornou-se comum que a jornada de trabalho seguisse a mesma rotina em todas as áreas de uma empresa. O resultado? Muitas horas parado no trânsito, uma vez que todos precisam entrar ou deixar o serviço em horários similares.

Para melhorar a vida na metrópole e também oferecer mais qualidade de vida aos colaboradores, o horário flexível permite que os funcionários tenham mais liberdade para escolher seu expediente.

Com isso, a rotatividade do quadro de funcionários é menor, assim como as faltas e atrasos. Afinal, os colaboradores podem adaptar o expediente à sua vida — quem tem filhos, por exemplo, pode começar após deixar as crianças na escola. Quem prefere entrar mais tarde, pode cumprir horários alternativos.

Para o horário flexível funcionar, é imprescindível que os colaboradores aprendam a fazer a gestão de tempo, entregando suas demandas no prazo e também controlando os próprios horários para evitar trabalho a mais ou a menos. Fica a cargo do colaborador estabelecer limites e evitar responder e-mails e ligações fora do expediente.

Benefícios oferecidos

Em pesquisa realizada pelo Glassdoor, site que reúne avaliações e salários de diversas empresas nos Estados Unidos, os benefícios e vantagens ofertados em uma vaga são fatores de grande importância para 57% da população na hora de optar por um emprego.

Com um perfil inquieto, as novas gerações muitas vezes não têm paciência para criar um plano de carreira em uma única empresa e, com isso, a rotatividade aumenta. Funcionários criativos tendem a abandonar moldes tradicionais e buscar benefícios que os atraiam. Visando deter esses talentos, aumentar a satisfação e, consequentemente, a produtividade, muitas empresas investem em benefícios inovadores e exclusivos.

Entre eles, podemos citar áreas de lazer (e até mesmo clubes exclusivos, em alguns casos), auxílio com creche ou berçários locais, sexta-feira com horário reduzido e geladeiras abertas, com a oferta de lanches e frutas ao longo do dia.

O grupo Virgin chegou a ofertar um ano de licença maternidade ou paternidade com salário integral. Para sua equipe pessoal, Richard Branson deu férias ilimitadas no momento em que preferissem, acredita?!

Já o Google é famoso por suas opções de lazer, como salas de videogame, mas oferece a chance de testar produtos antes do lançamento e incentiva projetos pessoais de seus colaboradores.

Plano de carreira

Um plano de carreira bem traçado é vantajoso tanto para a empresa quanto (e principalmente) para os funcionários. Ele aumenta a empatia de seus colaboradores com os negócios, conquista a confiança e impulsiona suas habilidades por meio de treinamentos e feedbacks.

Apesar de tantos outros benefícios citados acima, o plano de carreira ainda é bastante valorizado, principalmente por aqueles que priorizam segurança e estabilidade. Afinal, é um programa estruturado individualmente para cada colaborador, estipulando o caminho percorrido dentro da empresa, muitas vezes até com o tempo em que o colaborador ficará em cada cargo.

Enquanto em empresas consolidadas no mercado esse plano apresenta-se como uma escada, permitindo que o colaborador suba degrau por degrau, em empresas de pequeno e médio porte, que apresentam alto crescimento, é o próprio funcionário o responsável por construir esse caminho, descobrindo oportunidades e mostrando seu valor.

Por isso, é de responsabilidade dos colaboradores ouvir o feedback e encontrar formas de melhorar. Para isso, é possível buscar cursos de especialização ou aumentar a produtividade se o problema for o cumprimento de prazos e entregas.

Modo de se vestir

Com tantas mudanças causadas por um ambiente de trabalho mais flexível, as vestimentas dos funcionários não ficariam de fora. É claro que isso varia muito de acordo com o segmento e a área de cada um. Por exemplo, quem trabalha com vendas e atendimento ao cliente ainda precisa de certa formalidade.

No entanto, para os demais, as regras afrouxam-se um pouco. Em algumas empresas, é determinado um dia da semana para que as pessoas abandonem o social. Áreas que exigem menos formalidade, como a publicidade, dão liberdade para que os colaboradores vistam-se da forma que preferirem.

Independentemente de qual seja seu caso, a palavra-chave para a vestimenta é uma só: bom senso. Mantenha uma imagem profissional e evite peças curtas ou despojadas demais.

Afinal, tudo isso reflete em sua imagem e pode pesar na hora de conseguir uma promoção, por exemplo.

Como visto, um ambiente de trabalho mais flexível só traz benefícios aos colaboradores, oferecendo maior qualidade de vida e, em alguns casos, passando confiança e estabilidade. Espera-se, com isso, reter colaboradores e aumentar a produtividade da empresa por meio do interesse e da confiança.

E então, ainda tem alguma dúvida sobre o ambiente de trabalho flexível? Deixe suas impressões sobre o assunto nos comentários!

HQT
Autor

Escreva um comentário

Share This